Blog Archives

Vamos, juntos, lavar a corrupção da UFCSPA!

Moções de apoio à Miriam são um desrespeito aos estudantes

Após tornar-se pública e de conhecimento geral a condenação de Miriam à mais de 8 anos de detenção, por dispensa irregular de licitação em 47 oportunidades e direcionamento de licitação em duas, rapidamente os estudantes da UFCSPA demonstraram sua indignação através das redes sociais e pelos corredores da Universidade. Em Assembléia Geral, quase 500 alunos aprovaram a campanha pelo afastamento imediato de Miriam. Essa campanha começa sexta-feira, dia 29 de abril, com um ato nas escadarias da UFCSPA e entrega da carta à Reitoria exigindo o afastamento.
Na contramão desse movimento democrático, na semana passada, o CONSUN aprovou, de forma arbitrária, porque não estava representando os interesses da comunidade acadêmica, uma moção de apoio à Miriam. Além disso, os Reitores de IFES do Rio Grande do Sul pagaram à ZH para publicar mais uma moção absurda de apoio à corrupção nas Universidades. Para completar, enquanto os estudantes da UFCSPA estavam reunidos em Assembléia Geral, espaço de democracia plena, nunca antes visto nesta Universidade, a Miriam estava viajando à Brasília, com o dinheiro público, para continuar articulando sua defesa: mais uma moção de apoio, agora em nome do ANDIFES, sindicato dos rei(tores).
Isso demonstra duas coisas. A primeira, e mais urgente: Miriam não pode continuar nem mais um dia frente à UFCSPA. Enquanto foi condenada por fraudes licitatórias, está tentando perpetuar seu reinado através da intimidação aos estudantes, professores e funcionários, através de negociatas políticas com reitores Brasil afora, usando e abusando do dinheiro público para promover esta farra. A segunda: os rei(tores) que aprovam estas moções estão na contramão dos estudantes. Os estudantes afirmam que a corrupção tem que ser varrida das Universidades, mas os rei(tores) não! Querem manter seus privilégios, evitar as transformações e levar as Instituições com seu “jeitinho”… Mas os estudantes vão mostrar, que na esteira da democracia, os rei(tores) estão nadando contra a corrente. As Universidades não são de meia dúzia, que põe seus interesses e de amigos publicitários à frente dos interesses comuns. Assim como na UnB, onde os colegas tiveram de ocupar a reitoria por 11 dias até que Timothy saísse, faremos o que for necessário para limpar a imagem da UFCSPA.
Colegas, preparem-se, pois a batalha será dura, mas a recompensa é valiosa!

Reitora da UFCSPA é condenada a 8 anos de detenção!